10 anos de muitos frutos para o hóquei brasileiro

IMG_20150704_113929832_HDR

Righi (de branco, à esquerda) com alguns alunos do projeto

Rio de Janeiro, 2007. A Cidade Maravilhosa sediava pela primeira vez os Jogos Pan-Americanos, maior evento esportivo do continente, e para a disputa do hóquei sobre grama foram construídos dois campos oficiais no bairro de Deodoro, na Zona Oeste da cidade, fora da zona turística e carente de opções para a prática esportiva. Se o desempenho da seleção brasileira, envolvida em uma crise entre atletas e dirigentes na época, ficou longe do esperado, os campos produziram frutos que até hoje se destacam no hóquei nacional. Tudo começou por iniciativa do treinador argentino Eduardo Righi, que há anos bate na tecla da necessidade de incentivar a formação de jovens no esporte. Sem se ater apenas ao discurso, Righi começou, logo após os Jogos, uma escolinha de hóquei nos campos de Deodoro, que então careciam muito de infraestrutura. O local, por exemplo, não tinha água para beber, e os próprios alunos levavam garrafas congeladas que logo derretiam no calor escaldante do bairro e matavam a sede dos adolescentes que davam as primeiras tacadas.

deodoro campeao sub17

Meninas do Deodoro comemoram título nacional

Nesse grupo pioneiro estavam, por exemplo, Alice Aparecida, atualmente no Interlagos e uma das grandes promessas do hóquei feminino no país; Raphael Aguiar, conhecido pela grande habilidade e campeão brasileiro com o Germania, além do atacante Giovani Barboza, com passagem pelo hóquei argentino e também campeão nacional com o Germânia. A equipe formada em 2007 passou a se chamar Deodoro Hóquei Clube, tendo as cores azul celeste e branco, adotando o mascote do quero-quero, pássaro que sempre estava nos campos (não confundir com o atual Deodoro HC). Vieram muitas participações em campeonatos nacionais, títulos brasileiros de base, amistosos internacionais, viagens, reportagens para a televisão, auxílio social e financeiro para atletas, prêmios individuais e o mais importante: cidadãos formados, muitos com bolsas universitárias obtidas por meio do trabalho desenvolvido por Righi em todos esses anos.

deodoro 2009

O time do Deodoro em 2009

Um exemplo da importância do trabalho de formação realizado em Deodoro foi o último Campeonato Brasileiro Feminino de base, que das 7 equipes, 4 eram formadas por atletas do projeto (Interlagos, Macau, Carioca e Florianópolis). Nas atuais equipes adultas masculinas e femininas que disputam o Brasileirão, são vários atletas que começaram a jogar em Deodoro, mostrando a importância do fomento realizado no bairro carioca.

Agora em 2018 o projeto está organizando um Mundial Colegial, com participação de escolas importantes e apoio da Universidade Castelo Branco e presença de jovens equipes de outros países, como Argentina, Chile, Austrália e Inglaterra. Experiência na área esportiva estudantil não falta: Eduardo Righi é, desde o início, coordenador das competições de hóquei no Intercolegial, maior competição esportiva entre escolas do país, contando com grandes patrocinadores e apoio das Organizações Globo.

leandro giovanni

Intercolegial: outra conquista importante do projeto

grupo todo

Parte dos alunos do projeto em Deodoro

DSC_2533

Meninas do projeto com atletas norte-americanas depois de jogo amistoso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s